Ensaio

A realidade das duas dimensões

A humanidade fez escultura antes das outras formas de arte, pois essa arte mantém as três dimensões da realidade, exigindo menos capacidade de abstração. Diferentemente, a gravura, desenho e pintura transformam as três dimensões visíveis em duas dimensões. O homem mal dominava o espaço, como exigir dele, logo de início, a passagem das três dimensões do real para as duas dimensões da arte realizada em uma superfície? Por outro lado, como que a enfraquecer essa teoria, a argumentação contrária lembra que, se ele tinha pouca familiaridade com o espaço, não há certeza de que ele entendia que o espaço era formado por três dimensões. Além disso, para ele, o significado simbólico do real tinha importância e não o significado geométrico ou perspectivo.
O problema é complicado. Os gregos, já na Antiguidade clássica, que foram excelentes na construção de templos, denotando domínio da geometria espacial, consideravam a perspectiva um defeito da visão. Foi o Renascimento europeu que desenvolveu os primeiros estudos da perspectiva.
Assim sendo, por que não pensar a hipótese de que o homem de então percebia o espaço como tendo duas dimensões? Nesse caso, gravura e desenho poderiam ter surgido antes da escultura. Mas trata-se de uma hipótese pouco consistente, já que a visão tridimensional, que apareceu com os primeiros primatas, é antiga de 55 milhões de anos. A hipótese de o ser humano não dominar a perspectiva só tem significado teórico (o estudo da perspectiva), pois na prática ele percebia as três dimensões, o que o autorizou a tornar-se um bom caçador-coletor e a realizar a escultura, mantendo as três dimensões da realidade sensível.

image66
Figura 1. A iconografia das grutas se limita a três temas fundamentais: os animais, as representações humanas e os sinais. Nessas paredes, não há nenhuma referência nem à paisagem exterior, nem a plantas. A gruta de Lascaux deixa evidente que eles se ocupavam de tudo que podia ser objeto de emoção. Fonte: http://www.lascaux.culture.fr
image67
Figura 2. John Constable, “Represa e moinho em Dedham” (Dedham Mill) (1820). Victoria and Albert Museum London. Na pré-história, a pintura se dedicava a animais que participavam da vida do homem; no século XIX, e até hoje, a atração pelo ambiente bucólico é irrecusável. Em contextos simbólicos bem diferentes, alguns pontos em comum: segurança e paz. Fonte: http://www.oceansbridge.com/oil-paintings/product/91141/schleuseundmhleindedhamdedhammill

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s